terça-feira, 9 de novembro de 2010

GRAVURA

Termo que designa, em geral, desenhos feitos em superfícies duras - como madeira, pedra e metal - a partir de incisões, corrosões e talhos realizados com instrumentos e materiais especiais. Ao contrário do desenho, os procedimentos técnicos empregados na gravura permitem a reprodução da imagem. Nessa medida, uma gravura é considerada original quando resultado direto da matriz criada pelo artista, que a partir dela imprime a imagem em exemplares iguais, numerados e assinados. Em função da técnica e do material empregados, a gravura recebe uma nomenclatura específica: litografia, gravura em metal, xilogravura, serigrafia etc.
O Brasil conhece uma série de artistas, de distintas gerações, que têm seus nomes associados diretamente à gravura, como Oswaldo Goeldi (1895 - 1961), Lívio Abramo (1903 - 1992), Marcelo Grassmann (1925), Evandro Carlos Jardim (1935), Carlos Oswald (1882 - 1971), entre outros. Lasar Segall (1891 - 1957), ainda que responsável por uma obra ampla e variada, possui significativa produção no campo da gravura. Além disso, a gravura aparece como meio de expressão privilegiado em certos contextos precisos: no Clube de Gravura de Porto Alegre, dirigido por Carlos Scliar (1920 - 2001) - em que a técnica é exercitada a partir de temáticas sociais e políticas - e no Ateliê Coletivo, criado e dirigido pelo escultor Abelardo da Hora (1924), em Recife, que produz, sobretudo, xilogravuras, inspiradas diretamente na cultura popular nordestina. 

Tipos de gravura

Existem dois tipos comuns de gravura são em superfície ou em relevo.
Em horizonte: o sulco vai receber a tinta e aparece como positivo no trabalho final.
Em relevo a superfície não horizonte é que recebe a tinta e o sulco aparece em negativo (sem tinta).

Técnicas

A xilogravura é a técnica mais antiga para produzir gravuras, e seus princípios são muito simples. O artista retira de uma superfície plana (matriz, geralmente é madeira) as partes que ele não quer que tenham cor na gravura. Após aplicar tinta na superfície, coloca um papel sobre a mesma. Ao aplicar pressão (com uma prensa) sobre essa folha a imagem é transferida para o papel.
A técnica da gravura em metal começou a ser utilizada na Europa no século XV. As matrizes podem ser feitas a partir de placas de cobre, zinco ou latão. Estas são gravadas com incisão direta ou pelo uso de banhos de ácido. Água-forte, água-tinta, ponta seca são as técnicas mais usuais. A matriz é entintada e utiliza-se uma prensa para transferir a imagem para o papel.
Em 1796 Alois Senefelder descobriu as possibilidades da pedra calcária para fazer impresões e, após dois anos de experimentações desenvolveu a técnica da Litografia. Esta técnica parte do princípio químico que água e gordura se repelem. As imagens são desenhadas com material gorduroso sobre pedra calcária e com a aplicação de ácido sobre a mesma, a imagem é gravada. Assim como a gravura em metal, essa técnica também necessita de uma prensa para transferir para o papel a imagem gravada na pedra.
Embora existam registros de trabalhos utilizando stencil na China, no século VIII, a serigrafia começa a ser aplicada mais freqüentemente por artistas na segunda metade do século XX. Como as técnicas descritas acima, também a serigrafia apresenta diversas técnicas de gravação de imagem. Uma delas é a gravação por processo fotográfico. Imagens são gravadas na tela de poliéster e com a utilização de um rodo com a tinta a imagem é transferida para o papel.





Nenhum comentário: